Redes Sociais:
HomeNotíciaEconomia & NegóciosAngola proíbe importação de carne de 21 empresas brasileiras

Angola proíbe importação de carne de 21 empresas brasileiras

O Ministério da Agricultura de Angola proibiu a importação de carne proveniente de 21 empresas brasileiras sob investigação.


África 21 Digital, com agência


Em causa está o escândalo da carne exportada por empresas brasileiras em investigação por suspeitas de adulteração de produto estragado com recurso a químicos, conhecido em março e desde então também em investigação em Angola.

No despacho assinado pelo ministro da Agricultura, Marcos Nhunga, refere-se que as autoridades brasileiras confirmaram “as referidas irregularidades” e interditaram 21 estabelecimentos empresariais.

Estas mesmas empresas passam a ser proibidas de exportar carne para Angola, de acordo com este despacho, que ainda determina que os importadores devem “obrigatoriamente anexar no processo de importação a declaração do estabelecimento de origem”, informa a agência Lusa.

“Os laboratórios nacionais de controlo de qualidade alimentar, sob coordenação do Instituto dos Serviços de Veterinária, devem proceder à análise e certificação de todas as mercadorias à chegada”, refere o despacho, que também define a necessidade de “reforçar as atividades de inspeção e fiscalização das carnes provenientes da República Federativa do Brasil”.

Angola lançou no final de março uma investigação à existência no país de carne proveniente de empresas do Brasil envolvidas na adulteração de produto estragado com recurso a químicos.

A polícia brasileira descobriu em março que várias das principais empresas de carne do país, com a cumplicidade de agentes públicos e gestores empresariais, “maquilharam” com produtos químicos carnes que estavam em mau estado e não cumpriam os requisitos para exportação. Angola importa carne bovina, suína e aves do Brasil.

O Governo brasileiro atribuiu as irregularidades a um delito de corrupção – a certificação de produtos adulterados foi obtida através de subornos – e não a um problema de saúde pública ou falta de controlo sanitário.

Compartilhar

Escrito por: África 21 Digital

Nenhum comentário

Deixe um comentário