Redes Sociais:
HomeNotíciaConhecimentoSão Tomé e Príncipe tem a melhor taxa de alfabetização dos Palops, diz diretora de programa

São Tomé e Príncipe tem a melhor taxa de alfabetização dos Palops, diz diretora de programa

Pelo menos 90% dos são-tomenses com mais de 15 anos sabem ler e escrever, a melhor taxa entre os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), de acordo com o Programa de Alfabetização de Jovens e Adultos (PAJA) são-tomense. Cooperação brasileira teve papel de destaque em campanhas de alfabetização no arquipélago.


África 21 Digital com agências


Foto: TelaNon/Arq

O Governo de São Tomé e Príncipe prevê erradicar o analfabetismo no país até 2022, mas em 1975 tinha uma taxa de analfabetismo estimada em pouco mais de 80% da população.

“Depois da independência, houve uma grande campanha para a redução do analfabetismo, principalmente nos jovens e adultos, começou-se a trabalhar e em 1990 reduziu-se a taxa para 50%”, explica a diretora do Programa de Alfabetização de Jovens e Adultos, Helena Bonfim.

Segundo a directora desta instituição, esse programa foi suspenso “quando se mudou o regime” de partido único para a democracia multipartidária.

Em 2001, no âmbito da cooperação brasileira, iniciou-se a implementação de um novo programa para a erradicação do analfabetismo que durante dez anos ministrava 110 turmas por ano.

“Conseguimos alfabetizar mais de 20 mil jovens e adultos”, explica Helena Bonfim, que falava por ocasião do dia mundial da alfabetização, assinalado na última sexta-feira.

O projecto da cooperação brasileira nesse domínio terminou dez anos depois e em 2012 foi criado o Programa de Alfabetização de Jovens e Adultos, com financiamento do Estado são-tomense, que tem por meta erradicar o analfabetismo em 2022.

As comunidades rurais e piscatórias continuam a ser as que ainda apresentam maior taxa de analfabetismo do país, sendo o sexo feminino o mais afectado, particularmente nas zonas sul e norte da ilha de São Tomé.

“Essas pessoas não gostam muito de ir para as escolas, principalmente depois que terminou o programa com a cooperação brasileira” no âmbito do qual se dava “uma pequena compensação” em géneros alimentícios, designadamente em arroz, feijão e óleo alimentar.

Mesmo assim Helena Bonfim considera que o programa de alfabetização de jovens e adultos “tem tido bons resultados”, lembrando a importância de saber ler e escrever. Angop

Compartilhar

Escrito por: África 21 Digital

Nenhum comentário

Deixe um comentário