Redes Sociais:
HomeNotíciaComportamentosReino Unido recomenda a britânicos que evitem viajar para o norte de Moçambique

Reino Unido recomenda a britânicos que evitem viajar para o norte de Moçambique

O Ministério dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido recomendou aos cidadãos britânicos que evitem viajar para as áreas de Palma, Mocímboa da Praia e Macomia, no norte de Moçambique, devido a um aumento de ataques por “grupos ligados ao extremismo islâmico”.


África 21 Digital com agências

No seu portal, o Ministério dos Negócios Estrangeiros refere a notícia da morte de pelo menos  12 pessoas, entre 29 e 31 de Maio, seguidas de outras sete mortes, em 5 de Junho de 2018, na província de Cabo Delgado, somando-se aos confrontos da polícia, na cidade de Mocímboa, com grupos armados, entre 05 e 06 de Outubro do ano passado.

“Há relatos de uma maior presença de forças de segurança na região, incluindo cortes de estradas”, lê-se na página de Internet, que aconselha os britânicos a consultarem a imprensa local e as redes sociais, bem como a seguir as orientações das autoridades locais.

O porta-voz nacional da Polícia de Moçambique, Inácio Dina, adiantou na semana passada que o grupo armado que matou sete pessoas, em Naunde, norte de Moçambique, será o que resta de um bando maior, suspeito de ter decapitado dez pessoas no fim de Maio.

No mesmo ataque da semana passada foram incendiadas 164 casas, vitimando pelo menos duas pessoas, enquanto as restantes foram mortas com catanas, enquanto fugiam, disseram fontes locais.

Nove dos elementos armados foram abatidos pelas autoridades, que suspeitam que outros seis tenham escapado e tenham sido responsáveis pelo ataque a Naunde.

Um estudo divulgado em Maio, em Maputo, aponta a existência de redes de comércio ilegal na região e a movimentação de grupos radicais islâmicos, oriundos de países a norte, como algumas das raízes da violência.

O Governo britânico mantém algum nível de alerta devido às tensões nas províncias da Zambézia, Sofala, Manica e Tete.

Alerta também para o risco de ataques terroristas, para a pirataria marítima no Golfo de Aden e no Oceano Índico e para a criminalidade mais violenta, em especial raptos. Angop

Compartilhar

Escrito por: África 21 Digital

Nenhum comentário

Deixe um comentário