Redes Sociais:
HomeNotíciaEconomia & NegóciosAngola tem a maior taxa de crédito malparado dos países africanos, segundo a Moody’s

Angola tem a maior taxa de crédito malparado dos países africanos, segundo a Moody’s

A agência de notação financeira Moody’s avalia que o crédito malparado em Angola, a rondar os 25% do total, é o mais alto dos países africanos analisados pela agência, num relatório que melhora a perspectiva para os bancos africanos.


Portugal Digital com Lusa


Foto: Angop

“O setor bancário em Angola continua um desafio pela fraca qualidade dos empréstimos (crédito malparado nos 25,6% em agosto), faltas de liquidez de moeda externa, sem bancos a fornecerem dólares, e um número de bancos não avaliados que mantêm baixas reservas de capital”, escrevem os analistas.

No relatório enviado nesta sexta-feira (30) aos investidores, a agência melhora a perspetiva de evolução (‘outlook’, no original em inglês) de Negativa para Estável, o que pressupõe que não haverá mudanças nos próximos 12 a 18 meses, mantendo-se as condições atuais.

Os riscos, no entanto, continuam e são principalmente negativos, ou seja, a Moody’s antecipa que, a haver uma alteração sobre a avaliação da qualidade do setor nestes 11 países, a opinião tenderá a ser revista em baixa.

“Os riscos estão inclinados para uma descida, devido ao aumento global das taxas de juro, à subida do endividamento dos países e às pressões das moedas nacionais, para além de incertezas políticas e uma subida nas tensões comerciais”, escrevem os analistas no relatório.

A análise do perfil de crédito dos bancos, continuam, “continua sensível a estes desenvolvimentos, incluindo através das ligações com os seus países, principalmente por causa de deterem muita dívida pública”.

A Moody’s aponta que “os bancos na Tunísia, Tanzânia e República Democrática do Congo são os que estão mais em risco e, em menor escala, os bancos da África do Sul, Nigéria e Angola”.

Na análise aos bancos africanos, a agência de ‘rating’ diz que “as regulações mais severas e a melhoria na supervisão, ainda que abaixo dos padrões globais, vai apoiar a estabilidade financeira” e aponta que, no caso de Angola, “as melhorias incluem o aumento do montante mínimo de capital”.

Estas e outras melhorias no ambiente financeiro “vão ajudar a lidar com as questões de governação empresarial no passado e subscrições de crédito irregular que estiveram na base do recente falhanço dos bancos em Angola”.

No geral, a Moody’s antecipa um crescimento económico de 3,8% em 2019, o que representa uma aceleração face à expansão económica de 2,7% em 2017 e 3,1% este ano, apoiado “numa procura interna forte e pelos preços relativamente estáveis das matérias-primas”.

Em Angola, a Moody’s apenas avalia a qualidade do crédito do Banco Angolano de Investimentos (BAI) e, já esta semana, atribuiu pela primeira vez um ‘rating’ ao Banco Fomento Angola (BFA), dando-lhe a nota máxima permitida pelo ‘rating’ atribuído a Angola, já que os bancos não podem ter melhor ‘rating’ que o país em que operam.

O BFA tem, assim, a qualidade do crédito avaliada em B3 para os depósitos de curto e longo prazo em kwanzas, e em Caa1 para os depósitos em moeda externa, ambos abaixo da recomendação de investimento, tal como acontece com a República de Angola (B3 com Perspetiva de Evolução Estável desde abril deste ano).

Compartilhar

Escrito por: África 21 Digital

Nenhum comentário

Deixe um comentário

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!